O Gyoza | Mikami

O primeiro registro histórico sobre o gyoza no Japão ocorreu em 1709, na obra Shushunsui danki, do clã feudal Mito, da Era Edo. O primeiro a provar a iguaria no país foi Mitsukuni Tokugawa, popularmente conhecido como Mito Koumon, em 1689. Em 1849, o 15º xogum da Era Edo, Yoshinobu Tokugawa experimentou o fukuhou, um tipo de gyoza recheado com carne de pato. Porém, como naquela época a farinha de trigo ainda era escassa e a carne também não era muito consumida no Japão, o gyoza não se tornou acessível ao povo.

Sua difusão no país deu-se somente após a 2ª Guerra Mundial. Com o término da guerra, muitos japoneses que trabalhavam na China retornaram para as várias regiões do Japão e, para sobreviver, começaram a fazer e a vender o gyoza em barracas, no mercado negro ou em templos. Com o racionamento de alimentos no Japão pós-guerra, o pastelzinho começou a atrair consumidores, por ser considerado um alimento protéico e nutritivo.


Durante a 2ª Guerra, partiu de Utsunomiya cidade conhecida como a cidade do gyoza, com o maior consumo deste alimento no país. O clima da cidade era muito similar ao da região nordeste da China (quente e seco no verão e muito frio no inverno), o que propiciava a farta produção de ingredientes.

Um dos motivos pelo qual o yakigyoza se tornou especialmente popular no Japão foi que, na época, o arroz já era considerado o prato principal dos japoneses e, com a escassez de alimentos, o ideal seria preparar o gyoza de massa mais fina do que os que eram cozidos na água ou no vapor, proporcionando uma economia de ingredientes e uma produção maior. Além disso, sendo fácil e rápido de preparar, o yakigyoza poderia ser vendido em espaços limitados, como barracas, e, por ser grelhado com óleo, era um alimento que saciava a fome rapidamente. Supõe-se que o alho, ingrediente que não entra no gyoza chinês, passou a ser usado no tempero do recheio para disfarçar o forte cheiro da carne de carneiro, que era mais acessível ao povo nos tempos de racionamento alimentar.

Fonte: NihongoBrasil

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

clear formSubmit